Slide toggle

Administração

Parceria de Sucesso | Entrevista para a Revista WelcomePlanet

As Diretoras Financeiro e Comercial do Grupo Atta | Administração de Condomínios & Contabilidade Empresarial, Lucineia Lima (direita) e Lucilene Tenório (esquerda) participaram do lançamento da 37ª Edição da Revista WelcomePlanet, que destacou na capa as Mulheres de Negócios do ES.

Confira abaixo uma super entrevista concedida por elas e publicada nesta mesma edição:

Entrevista publicada originalmente na 37ª Edição da Revista WelcomePlanet | Capa: Mulheres de Negócios do ES.

Parceria com a Microcamp dá descontos em cursos para  novas e promissoras profissões  

Diretor o Sr. Thiago Nazar representante da empresa MICROCAMP-ES

Condôminos cujos imóveis são administrados pelo Grupo ATTA já podem fazer cursos de informática e inglês com até 70% de descontos. O benefício é resultado da parceria firmada entre o Grupo Atta e a principal rede de escolas de informática do Brasil, a Microcamp que está completando 40 anos de atividade no mercado e possui mais de 70  unidades instaladas no país, duas delas no Espírito Santo: uma em Vitória e outra em Vila Velha.O benefício é válido para qualquer um dos cursos oferecidos pela Microcamp como Informática Moderna, Design de Games, Hardware e Inglês I Do.

No curso de Informática Moderna, um dos principais diferenciais é o módulo que ensina o aluno a desenvolver aplicativos.  “É a primeira escola no Brasil onde o aluno entra para o curso sem conhecimentos em informática e após dois anos sairá apto a criar aplicativos para celulares Apple e Android”, assegura o diretor da Microcamp no Espírito Santo, Thiago Nazar.

É um grande diferencial, segundo o diretor, uma vez que o setor de aplicativos é um dos mais atraentes para empreendedores iniciantes pois oferece oportunidades interessantes em várias áreas.

O curso de Informática Moderna ainda traz outros quatro módulos complementares que preparam o aluno para as novas profissões do mercado: Gestão Administrativa, como ser um Youtuber, Internet das Coisas e Aplicativos de Realidade Virtual.

No curso de Hardware o aluno aprende a montar e fazer manutenção não só em computadores, mas também em celulares Apple e Android e robôs. E ainda vai trabalhar com o Arduino, que são placas  que tornam mais fácil e econômica a criação de dispositivos inteligentes capazes de interagir com o ambiente, como robôs, por exemplo.

Este curso também oferece módulos complementares atualizados com o mercado como Manutenção de Drones, Case Mod (que é arte de customizar o gabinete do computador baseado em algum tema de interesse), Dispositivos Vestíveis (aparelhos que permitem uma maior interação do usuário com seu smartphone, como os óculos de realidade virtual, os relógios e as pulseiras inteligentes.) e Robótica social (robôs com função social, que interagem com seres humanos).

 

Já no curso de inglês I Do as atualizações ficaram por conta da inclusão de quatro módulos complementares: Inglês para Viagens, Inglês Profissional, Inglês para Youtube e Inglês para Culinária.

 

Os interessados devem entrar em contato com a Microcamp – 3024-9900 e Microcamp Vila Velha – 3061-0900. Para saber mais informações sobre o desconto, basta apresentar seu boleto de condominio em qualquer escola Microcamp do Espirito Santo e receber seu desconto.

Saiba como resolver problemas com barulhos em seu condomínio.

 

Os números de reclamações por causa de barulhos produzidos por vizinhos em condomínios é muito grande. No entanto existem tipos de barulhos que às vezes não são considerados abusos contra o sossego do vizinho, porém alguns ainda insistem em realizar reclamações deste tipo de barulho. Mas como que você pode distinguir o que é abuso e o que são ruídos produzidos pela falta de isolamento acústico adequado no condomínio? Como você pode resolver os problemas com barulhos vindos do apartamento de seu vizinho? Vejamos algumas dicas que falam a respeito deste assunto.

Antes de registrar uma ocorrência sobre o barulho gerado pelo vizinho é importante que você saiba diferenciar os barulhos que são abusivos de barulhos que são inevitáveis de se produzir, como por exemplo o barulho do vizinho andando, da descarga ou de conversas em tom normal. Agora se o morador estiver com o som ligado em um volume muito alto, de maneira que venha a incomodar você, aí sim é importante que se tome providencias para que o problema seja resolvido. Mas que tipo de providencias? A primeira ação que o condômino que se sente incomodado com o vizinho deve ter é de comunicar o sindico, e o sindico deve ver se a reclamação realmente procede e assim advertir o morador que está incomodando o outro.

Assim sendo, em apartamentos o limite de barulho permitido, para quem ainda não sabe, é de 45 decibéis. Uma outra alternativa para a resolução de ocorrências como essas dentro do condomínio é se o sindico adquirisse um software de gestão de condomínios, que seria muito útil para a gestão do condomínio, pois em casos como esses seria possível o condômino registrar a ocorrência de barulho sem precisar sair de sua unidade. Como? Por meio do módulo de registro de ocorrências, onde o morador pode registrar sua ocorrência por meio de seu dispositivo eletrônico com acesso a internet.

Fanatismo em condomínio?! Saiba o que fazer a respeito!

Sem dúvida o fanatismo incomoda sim de fato as pessoas. Em condomínios por exemplo quando ocorre este tipo de problema muitos não sabem exatamente o que fazer. No entanto do outro lado, quem está praticando o fanatismo dentro do condomínio não está nem aí com o outro vizinho ao lado, pois nessas horas o que somente importa é a glória da vitória, o êxtase do grito, a ira do berro, a histeria dos murros e pontapés estejam onde estiverem. Mas o que fazer se você se encontra incomodado com o fanatismo de seu vizinho no condomínio? Vejamos a resposta a esta pergunta.

Muitas vezes as palavras, palavrões, gestos,

posturas e tudo o que os torcedores fanáticos usam para externar suas manifestações ultrapassam os lindes da normalidade. Algumas vezes quando seu time marca um gol eles saem às

janelas gritando, berrando, gesticulando para comemorar o gol. Claro que todos gostamos quando nosso time marca um gol, mas em um condomínio é importante que se leve em consideração que se tem outras famílias que podem se sentir incomodadas com sua comemoração.

Assim não é errado que você comemore o gol ou a vitória do seu time, mas é importante que você leve em consideração as outras pessoas que moram dentro do condomínio, não perturbando as mesmas com sua alegria.

Dessa forma você que se encontra com este problema em seu condomínio, pode estar se perguntando como resolver este problema. Para que se tenha uma solução é importante que no momento em que estiver acontecendo este problema você registre este problema de alguma maneira, seja fotografando ou gravando, ou por meio de testemunhas, mas sempre de uma maneira legal e regular, para que seja registrada essa denúncia no condomínio. Assim sendo deve-se comunicar o sindico para que o mesmo tome as providencias necessárias. Caso o problema não venha a ser resolvido, pode ser que se tenha que tomar providências judiciais, mas somente se não houver nada mais a ser feito.

CONFLITOS NAS ASSEMBLEIAS DO CONDOMÍNIO

Em condomínios, todas as decisões que envolvem a comunidade devem passar pela assembleia, onde será deliberada ou não. Mas acontece que, muitas vezes, o que era pra ser uma reunião pacifica para decidir os rumos da vida no condomínio, acaba se tornando um palco para brigas e discussões nada amigáveis. Por isso, algumas medidas devem ser tomadas para que esse tipo de situação não aconteça e que a assembleia possa seguir normalmente. Então seguem algumas dicas:

  • O Presidente da Mesa não deve deixar que as discussões se acalorem, porque isso pode tomar muito tempo da assembleia ou até mesmo agravar alguns problemas menores.
  • Uma boa saída é limitar o uso da palavra, e também estipular o horário e duração da assembleia, antes mesmo do seu início.
  • O Presidente não deve deixar que os presentes se manifestem sobre assuntos que não estão na pauta. Mas caso insistam, o assunto pode ser jogado para o fim da reunião.
  • Assuntos importantes, como aprovação de obras, não devem ser aprovados caso não constem na pauta. Se essa discussão surgir, pode ser registrado em ata e merecer atenção em uma próxima assembleia.
  • Evitar registrar explicitamente em ata algum ocorrido que cause constrangimento a alguém. Deve-se registrar os conflitos em ata, mas sem expor ninguém ao ridículo.
  • Dar um andamento objetivo à assembleia, assim, evitando climas agressivos.
  • Os condôminos com certeza conhecem quem pode causar tumulto na assembleia, é importante não deixar que essa pessoa “cresça”.
  • Caso a assembleia aborde algum tema polêmico, deve-se avisar aos condôminos com antecedência.
  • Mediar um conflito entre condôminos que estão tendo atritos, pode evitar que esse problema afete a assembleia.

O importante é ter pulso firme e manter a calma. Além de administrar o condomínio, o síndico deve mediar conflitos entre moradores e evitar que brigas e confusões maiores venham a ocorrer.

PLANEJAMENTO ANUAL

Mais um ano acaba de começar no condomínio. É hora de planejar o ano que está por vir. As contas (despesas e receitas) do ano anterior deverão ser reunidas (a não ser que se tenha um relatório do final do anterior) e analisadas. A base econômica e financeira da gestão deste ano será as contas do mesmo período anterior. Esse plano terá um grande papel no decorrer do ano do condomínio e é de suma importância que o síndico, juntamente com sua equipe de conselheiros, tome a iniciativa de elaborar o planejamento anual pois, acima de tudo, o plano do ano irá auxiliar, acima de todos, o próprio síndico. O condomínio só terá um bom ano se tudo for planejado desde o início. Isso inclui coisas além das reuniões e assembleias realizadas no condomínio.
Podemos dividir o planejamento anual em três principais pontos:

Planejamento financeiro:

Este, sem sombras de dúvidas, é o mais importante de todos. Além disso, ele irá conglobar os outros dois e aparecer de forma ativa em suas composições. Assim como este servirá de base para este ano, o fechamento das contas do ano anterior será a base para a elaboração do plano de finanças deste ano. Contas (receitas e despesas) do ano anterior deverão ser organizadas e postas em ordem, afim de facilitar futuras consultas às contas anteriores. Também deverão constar no plano financeiro anual.

Cronograma das reuniões e assembleias:

Seja uma assembleia extraordinária ou uma assembleia ordinária, é sempre bom deixar todos os envolvidos cientes bem antes da data para a qual a reunião está agendada. A presença de todos os condôminos e pessoas relacionadas ao condomínio é se suma importância, ainda mais se algum ponto tiver que ser votado. Seria viável, a criação e colagem de uma espécie de calendário no mural do condomínio, onde constariam datas de reuniões, eventos festivos no condomínio e, claro, as datas das assembleias.

Patrimônio, estoque e fornecedores do condomínio:

fornecedores para condomínio

Por mais clara que a importância desses três pontos possa ser, na maioria das vezes, eles passam despercebidos no ato da elaboração do plano anual. É indispensável que o síndico e sua equipe estejam cientes dos itens que constam no inventário do condomínio, bem como de seu patrimônio. Será possível elaborar um plano de compras, onde será dada prioridade aquilo que está em falta. Todo esse processo de compra e conferência do estoque esbarra em outro fator importante para o plano do ano do condomínio: os contratos com fornecedores e prestadores de serviços do condomínio. É bom para aproveitar o momento para ir atrás de contratos que ofereçam um melhor serviço pelo melhor preço.
Alguns sistemas para administração de condomínio até mesmo oferecem soluções na área. Um bom exemplo é a empresa Seu Condomínio, que oferece um módulo capaz de enviar dezenas de cotações a dezenas de fornecedores diferentes com apenas alguns cliques. Após o fornecedor preencher sua oferta, basta o síndico autorizar ou não a compra! Marque uma demonstração e conheça nosso sistema!

PROCRASTINAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS

Não é incomum deixarmos uma tarefa para depois por não termos tempo de fazê-la, ainda mais se o número de tarefas que tivermos que realizar em um mesmo dia for demasiadamente grande. Para isso, contratamos funcionários e empresas de terceirização para realizarem as funções que não temos tempo de fazer. Contudo, em alguns casos, tais funcionários (independentemente de terem sido contratados por terceiros ou diretamente) algumas das vezes não realizam suas funções do modo que deveriam realmente executar. Nessa visão, o que pode ser feito contra os funcionários que não exercem suas funções devidamente?

Diálogo

A primeira tentativa sempre é o diálogo. Chame o funcionário que está dando problemas para uma conversa e explique a insatisfação com o serviço que ele tem prestado no condomínio. Se a limpeza não estiver boa, se a manutenção não tiver sido feita ou se o lixo não tiver sido trocado, leve ele até estes locais e mostre que o problema ainda não foi resolvido. Deixe bem claro sua posição contrária às atitudes do mesmo e explique, de forma clara e direta as consequências que o funcionário poderá sofrer. Caso o mesmo seja de uma empresa terceirizada, o contato direto pode ser evitado. Neste caso, fale diretamente com o responsável pela empresa ou pelo serviço prestado no condomínio. Se o diálogo não funcionar, é hora é tomar atitudes mais drásticas.

 
 

Demissão

funcionários do condomínio

Se, mesmo após ter ouvido as reclamações realizadas pelo contratante, o funcionário continuar não cumprindo com suas devidas funções, talvez seja melhor optar por uma atitude mais rígida, como a demissão. Basta provar que o funcionário não exerce suas funções para demiti-lo por justa causa. Se ele realmente não cumpre suas funções, será fácil comprovar que a demissão foi realmente por justa causa.

Algumas ferramentas, como a Seu Condomínio, oferecem funcionalidades que permitem que o síndico ou administração interna do condomínio, delegue atividades específicas para funcionários específicos, e acompanhe desde o início até a conclusão da tarefa.
Agende uma demonstração, sem compromisso e sem custo, para conhecer melhor nosso sistema!

 

QUANDO OS ZELADORES ASSUMEM O PAPEL DE SÍNDICOS

 

Em alguns condomínios, os síndicos, além de exercerem suas funções como administradores, têm que aliar sua vida profissional extra-condomínio com a árdua tarefa de comandar as outras pessoas do condomínio. São advogados, médicos, engenheiros, empresários e outros profissionais que se veem, muitas vezes, com a agenda cheia de compromissos e eventos. Nesses casos, a figura do zelador geralmente é assimilada a do síndico. Por senso comum, os moradores e condôminos enxergam o zelador como um subsíndico ou como o próprio, em sua ausência. Acontece que, ser zelador e ser síndico são coisas muito diferentes.

zelador de condomínio

Ao zelador cabe:
  • Zelar pela estrutura do condomínio (isso inclui a estrutura elétrica, hidráulica, maquiária e administrativa do segurança);
  • Ficar por dentro do estoque e inventário de itens do condomínio;
  • Zelar pelo patrimônio do condomínio;
  • Ser cordial e prestativo com os moradores;
  • Anotar as ocorrências na ausência do síndico;
  • Realizar pequenos reparos emergenciais no condomínio;
  • Ser exemplo aos outros funcionários e fiscalizar se suas funções estão sendo devidamente exercidas;
  • Ter noções de segurança em todas as áreas do condomínio;
  • Ter visão preventiva quanto à problemas futuros, entre outras funções.

O síndico é aquele que representa o condomínio legal e juridicamente. Apenas ele, por exemplo, pode cobrar os condôminos quanto à pendências no que se diz respeito às suas contribuições.

Vale lembrar que o síndico pode passar a outro, total ou parcialmente, suas funções e seu poder dentro do condomínio, desde que seja aprovado em assembleia. O que não pode ocorrer são os acordos verbais entre síndicos e zeladores, onde o primeiro dará ao segundo, plenos poderes e autoridade sobre o condomínio.

O QUE É MELHOR PARA O CONDOMÍNIO: UM SÍNDICO OU UMA ADMINISTRADORA?


A gestão de um condomínio pode ser bastante complicada. Fazer valer todas as leis, cobrar que os deveres dos condôminos, principalmente os que dizem respeito à taxa condominial sejam cumpridos, realizar a manutenção do condomínio, fazer compras, cuidar da segurança, convocar assembleias, resolver as ocorrências, gerenciar os agendamentos, contratar empresas terceirizadas, manter a ordem, evitar e, se for o caso, resolver conflitos internos… Ufa! Ás vezes é coisa de mais para um síndico fazer. Para casos onde o trabalho é demasiado pesado, existem as administradoras de condomínio, que realizam o mesmo trabalho de um síndico, mas atendem vários condomínios de uma só vez e contam com uma grande equipe com funcionários que atuam nos mais variados campos (jurídico, administrativo, serviços gerais, segurança, etc). O que é o ideal para o seu condomínio?

síndico ou administradora?

Dependendo do porte e do padrão, a melhor opção, sem sombra de dúvidas, seria fechar contrato com uma administradora. Além de cuidarem, de forma geral, dos assuntos condominiais, as administradoras geralmente assumem toda a responsabilidade, principalmente no que se diz respeito a cobranças de taxas condominiais. Qualquer assunto ou necessidade que o condomínio tiver, se o contrato com a administradora cobrir, será resolvido pela administradora. Em alguns casos, mesmo se o porte do condomínio for grande, é possível geri-lo sem a ajuda de uma administradora. Claro que as tarefas deverão ser divididas entre síndico, subsíndicos e conselheiros. Estes últimos, serão de extrema necessidade para o condomínio no que se diz respeito a controle das contas e transparência da gestão.

Se o condomínio for de menor porte, é possível dividir as tarefas entre síndicos e grupos gestores, formados pelos próprios condôminos. A gestão, nesse caso, pode ser ainda mais transparente pois a administração do condomínio será realizada por pessoas de dentro, geralmente conhecidas pela maioria dos condôminos.

FOGOS DE ARTIFÍCIO NOS CONDOMÍNIOS: SAIBA COMO UTILIZÁ-LOS

Se você planeja utilizar fogos de artifício para a comemoração das festas de fim de ano, seja em sua casa ou em seu condomínio, essa matéria com certeza irá orientá-lo sobre os riscos e as leis que tratam desses artefatos explosivos.

Há 4 classes de fogos de artifícios, cada uma com suas restrições e definições:

● Classe A: Os fogos classificados na categoria A são aqueles que apresentam os fogos de vista, mas que não apresentam o estrondo. Existem outros daclasse A que possuem pequenos barulhos. Eles só podem conter, no máximo, 0,2 g de pólvora. São utilizados em balões pirotécnicos, bombinhas, etc. Os de classe A podem ser usados por crianças que tenham idade superior a 12 anos, desde que estejam sendo supervisionadas por um responsável maior de idade.

● Classe B: Os fogos classificados como categoria B são os de artifício que apresentam os estrondos e assobios. Eles podem conter no máximo entre 0,21 e 0,25 gramas de pólvora. Alguns exemplos de fogos da classe B são: morteirinhos de jardim, serpentes voadoras e outros.

● Classe C: Os fogos de artifício classificados na categoria C apresentam estampido (estrondo) e assobios. Neles, podem conter, no mínimo 0,25 g e no máximo, seis gramas de pólvora em cada bomba. De acordo com um regulamento da lei, o R-105, os fogos da classe C não podem ser adquiridos por menores de idade e a queima desses fogos precisa de autorização legal do governo, em que serão designados o local e a hora, no caso de festa pública. Será sujeito à autorização em qualquer lugar. Os foguetes com ou sem flecha, os rojões com ou sem vara, entre outros, fazem parte da classe C.

Classe D: Os da classe D são os fogos com estampido. São os de qualquer tipo, contendo mais de seis gramas de pólvora. Normalmente, esses fogos possuem mais de três polegadas. Utiliza-se em peças pirotécnicas. Eles são presos por estruturas especiais usadas nesse tipo de espetáculo.

Há, também, diversos decretos de leis que falam sobre a utilização, venda e comércio desses artefatos. O Código Civil pode ser conferido aqui.

Essa prática que pode ser bonita, esconde um grande perigo, inclusive de morte, por trás das cores e das combinações que são possíveis de se obter com o uso de tal material. É necessário frisar que a compra e manuseio de fogos de artifício de categorias C e D são proibidas a menores de 18 anos.